Casa da Bóia comemora seus 105 anos inaugurando nova exposição histórica

Tornearia-no-início-do-sec-Em 105 anos de atividade sob gestão da mesma família, a Casa da Bóia conseguiu preservar grande parte de sua história em fotos, documentos, peças e maquinário.

Este rico material será incorporado ao museu da empresa e fará parte de uma exposição.

O belo casarão, número 123 da rua Florêncio de Abreu, centro de São Paulo, construído nos fins do século XIX e início do século XX, abriga mais do que uma loja que vende, no mesmo balcão centenário de sua inauguração, materiais de cobre, latão, ferramentas e utensílios plásticos.

O sobrado concluído em 1909, em estilo art noveau, e que resiste ainda imponente após restaurações de sua fachada em 1996 e 2001, é, ele próprio, um testemunho histórico de um tempo que já não mais existe.

Abriga em seu interior uma memória tão rica quanto sua arquitetura que preserva inalteradas a maior parte das características originais do imóvel. Há 105 anos, é a sede da Casa da Bóia, tradicional loja paulista, a primeira no Brasil a fabricar e vender bóias de caixa d’água, (daí o seu nome).

Sob a administração da mesma família de seu fundador, o imigrante sírio Rizkallah Jorge, a Casa da Bóia tem muito bem preservada memória histórica: são, entre outros, documentos do século XIX, livros contábeis centenários, contratos de trabalho e fotografias feitas nas primeiras décadas do século XX, peças produzidas pela empresa há mais de 90 anos, enfim, uma riqueza histórica difícil de dimensionar, mas que nos ajuda a visualizar a história da indústria e do comércio no século XX.

Parte deste acervo já se encontra disponível ao público, em um museu criado por Mario Rizkallah, diretor da Casa da Bóia e neto de seu fundador, quando das comemorações dos 100 anos da empresa, em 1998. Ele também se encontra de “forma virtual” no site da empresa: www.casadaboia.com.br”.

Desde então foram surgindo novos materiais, guardados em caixas antigas, depósitos pouco usados ou gavetas quase nunca abertas. O resultado é que dezenas de livros contábeis, contratos, faturas de venda, letras de câmbio, canhotos de talões de cheque, alvarás, plantas do imóvel e até um filme, em 35 mm, produzido para a comemoração dos 30 anos da empresa, em 1928, foram recuperados.

A descoberta de mais este acervo histórico motivou a empresa a ampliar seu museu. Como há cinco anos, uma nova sala do andar superior foi devidamente restaurada para receber as peças.

A restauração incluiu a contratação de uma empresa de arquitetura especializada, para pesquisar as características originais do imóvel, como as belas portas e janelas feitas em pinho de riga, escondidas por camadas de tinta ou a pintura ricamente trabalhada das paredes, característica das residências do início do século passado, que foram restauradas e reproduzidas.

No museu que está sendo instalado nas salas cujas paredes restauradas mantêm a exata atmosfera do tempo em que o imóvel era também a moradia de seus proprietários, destacam-se curiosidades como o maquinário que a empresa usava na fabricação de canos, torneiras, bóias de caixa dágua.

Reminiscências deste período são os moldes de madeira usados para fabricar torneiras, as ferramentas manuais com as quais se faziam as roscas nas extremidades de canos, furadeiras e tornos industriais movidos por um sistema de polias no teto e acionadas por um único motor elétrico central.

O museu traz curiosidades como o mobiliário original utilizado pelo fundador da empresa, Rizkallah Jorge, no início do séc. XX, contratos de trabalho com técnicos estrangeiros redigidos nos anos de 1912 e 1913, faturas de venda de 1918, fotos de seções da empresa na década de 10/20 do Sec. XX e livros contábeis de 1903 e 1908, entre outras curiosidades.

Todo este novo acervo, além do já existente, estará à disposição do público à partir do dia 20 de maio próximo, quando a Casa da Bóia completa os seus 105 anos de atividade.

Para a comemoração oficial, no dia 20 de maio, será realizada uma missa solene, às 18h00, no Mosteiro de São Bento. Logo após, às 18h30, um coquetel para a imprensa, clientes e fornecedores, acontecerá na sede da empresa e nele será feita a abertura oficial da nova ala do museu, com a reprodução do vídeo feito em 1928. Uma animada “Jam Session” realizada no porão do casarão centenário encerrará a festa.

À partir do dia 21 de maio e até o dia 21 de junho, de segunda à sexta, das 12h00 às 14h00 e aos sábados, das 10h00 às 12h00, o museu estará aberto à visitação. Fora deste período as visitas podem ser agendadas por meio do telefone (11) 228-6255.

———— – ————

Serviço à imprensa:

Casa da Bóia 105 anos

Coquetel para imprensa, fornecedores e clientes,
no qual se fará a inauguração da nova ala do museu:

20 de maio de 2003, às 18h30

Local: Rua Florêncio de Abreu, 123, centro, SP

Caso tenha interesse em comparecer ou enviar uma equipe,
solicitamos a gentileza de confirmar sua presença.