Sustentabilidade e uso criativo de produtos marca o Natal na Casa da Bóia

Sustentabilidade e uso criativo de seus produtos marcam a decoração de Natal da Casa da Bóia

 

A tradicional loja de São Paulo decidiu usar os produtos que vende na decoração de de Natal e como utilitários em sua própria loja.

A Casa da Bóia é a mais antiga loja de produtos de cobre de São Paulo, e neste ano apostou na sustentabilidade e no uso dos produtos que vende tanto em sua decoração de Natal, quanto na reforma de suas instalações.

A empresa, que há 116 anos funciona no centro de São Paulo, tem duas áreas de atuação, uma vende produtos de uso industrial, como chapas, bobinas e barras de cobre, bronze, latão e alumínio, além de material hidráulico.

A segunda, em seu sobrado histórico, comercializa também produtos artesanais de decoração feitos em cobre.

Unindo os conceitos de sustentabilidade e de conferir novos usos a materiais comuns, a empresa apostou na criatividade para montar uma árvore de Natal que, ao invés dos tradicionais enfeites, foi decorada com miniaturas de objetos de cobre, como pequenas chaleiras, mini-leiteiras, e delicados lampiões.

A ideia de utilizar as peças de decoração em cobre vendidas pela loja na árvore de Natal partiu da artista plástica Adriana Rizkallah, que estendeu o conceito de aproveitamento de materiais para a reforma que a loja está fazendo em suas instalações. A montagem da árvore ficou a cargo do também artista plástico Orestes Galleriano.

“A Casa da Bóia é amplamente conhecida por ser uma distribuidora de materiais hidráulicos industriais. Quis mostrar, na reforma da loja, que podemos utilizar estes mesmos materiais em novos usos, como a torneira feita de registros, conexões e tubos de cobre que instalamos nos banheiros dos clientes”, explica Adriana.

O diretor da empresa, Mário Roberto Rizkallah explica que “este é um conceito que queremos ampliar na Casa da Bóia, o de incentivar novos usos para produtos comuns, inclusive estamos criando um novo show room para explorar estas possibilidades, e, nada melhor do que mostrar as novas criações usando o nosso próprio espaço”.

Sobre a Casa da Bóia

A Casa da Bóia foi fundada em 1898 pelo imigrante sírio Rizkallah Jorge Tahan, que imigrou para o Brasil e montou a primeira empresa a fabricar artefatos de cobre na capital.

A empresa passou a ser conhecida como “Casa da Bóia” por ser uma das primeiras a fabricar e comercializar bóias para caixas d’água, no início do Séc. XX, momento em que a cidade de São Paulo enfrentava problemas advindos justamente da falta de saneamento nas residências.

O sobrado sede da empresa, que fica na Rua Florêncio de Abreu, data de 1909 e tem a fachada tombada pelo patrimônio histórico municipal. Ele abriga um museu, criado em 1998, quando a empresa completou 100 anos, que contém documentos e fotos da loja e do setor de produção no início do Séc. XX, além de ferramentas utilizadas pelos operários e peças originais fabricadas pela Casa da Bóia.

Restauração permanente do imóvel

Em 1997 iniciou-se a primeira restauração do imóvel, e neste trabalho, uma empresa especializada em restauração histórica realizou a pesquisa das características originais do sobrado estilo art noveau, sede da Casa da Bóia.

Duas salas foram completamente restauradas conforme as características originais. Foi quando se descobriu que as paredes destas salas eram pintadas com ricos ornamentos decorativos, que foram preservados e reproduzidos, devolvendo a estas áreas as cores, texturas e decoração originais.

Nestas duas salas foi colocado o primeiro acervo do Museu da Casa da Bóia.

Em 2003, ao completar 105 anos de atividades, mais uma sala foi completamente restaurada pelo mesmo processo, no qual se descobriu uma nova pintura original. Igualmente restaurada e reproduzida.

Esta segunda sala ganhou mais peças documentais e fotografias, além de um espaço para projeção de um vídeo recuperado com imagens da empresa em 1928.

Em 2008, foi a vez do salão de vendas principal da loja passar por uma pesquisa de suas características originais e, novamente, abaixo das camadas de tinta foi localizada uma pintura ornamental junto ao teto, igualmente reproduzida e hoje visível aos clientes.

“É um processo demorado, trabalhoso e caro, mas, ao mesmo tempo, muito gratificante. Poder reconstituir as características originais da sede da nossa empresa, que já foi, além da loja e fundição, a residência da família de meu avô”, comenta o diretor da Casa da Bóia Mário Roberto Rizkallah.

“Não dá para dizer exatamente quando, mas nossa intenção é continuar a recuperar as áreas originais do imóvel”, completa Mário Rizkallah.

Visitas ao Museu

O Museu da Casa da Bóia, cujo nome oficial é “Museu Rizkallah Jorge”, é aberto à visitação de qualquer pessoa interessada mediante agendamento prévio, por meio do telefone 11 3228-0556. Funciona de segunda a sexta, das 8h00
às 17h00.

A Casa da Bóia fica na Rua Florêncio de Abreu, 123, Centro. Próximo à estação São Bento do Metrô.

Mais informações e imagens em alta resolução:

Eduardo Grigaitis
MTb. 22.549]
(11) 5011-1072